Mudança de Paradigma na Saúde

Artigos

Estamos passando por uma transição no modelo de saúde e assistência, saindo de um enfoque de saúde como ausência de doença e um modelo assistencial puramente curativo, para uma visão mais ampla onde objetivamos mais fortemente restabelecer a capacidade funcional, aliviar o sofrimento, prevenir lesões e a morte prematura, cuidar daqueles que não podem ser curados e promover a saúde.

Apesar de toda a evolução científica brilhante do modelo curativo biomédico, o impacto na saúde pública não foi o esperado, talvez porque a saúde tenha sido colocada em segundo plano.

O sistema de saúde atual é ainda organizado e financiado segundo o modelo biomédico e voltado para o atendimento de doenças agudas. A nossa visão de saúde deverá ser ampliada para um modelo que inclua além do biomédico, a dimensão mental, social e espiritual do ser humano.

Esta visão mais ampla integra o conceito de medicina curativa com a medicina preventiva, promoção de saúde, bem-estar e produtividade, e reconhece a importância dos fatores psicológicos, suporte social, renda e comportamentos que protegem o indivíduo das doenças e incapacidades, incorporando o conceito de salutogênese (geração e manutenção da saúde).

Entendendo que o estado sócio-econômico é um determinante importante de saúde e doença, esta nova visão será crítica para o planejamento e a prestação de serviços de saúde para as camadas menos favorecidas da população.

Poderíamos definir saúde plena como um estado de bem estar bio-psico-socio-espiritual. São componentes interligados e interdependentes. A negligencia de um desses componentes predispõe ao estado de doença.

Os quatro componentes da saúde

Física:  A saúde física é essencial, incluindo a integridade funcional e estrutural, mas sozinha é insuficiente. A genética e a epigenética são a prova de que as tendências geneticamente determinantes interagem com os fatores comportamentais e ambientais.

Mental: Fatores mentais incluem mais do que ausência de doença mental, se estendem ao estado emocional (humor), disposições (atitude mental) e crenças e expectativas (auto-estima, auto-controle, auto-eficácia). Os fatores mentais como estresse, depressão e inabilidade de mudar hábitos de vida contribui para o surgimento de doenças, a progressão de muitas e o gerenciamento de todas. Entender o papel destes fatores na saúde e na doença talvez seja a maior contribuição dessa visão ampliada de saúde.

Social: Usaremos o conceito de saúde social voltado para as interações do indivíduo com o meio e não com sua posição social na sociedade ou nível sócio-econômico. A saúde social está relacionada com a sociabilidade e a rede de suporte com colegas, amigos ou familiares. A rede social constrói comunidades e contribui para o suporte social, manutenção da saúde e recuperação de doenças.

Espiritual: Espírito é pensamento, motivação, sentimentos da humanidade, envolvendo códigos de ética e filosofia. Pode ou não estar relacionado com a crença em uma força superior. Uma pessoa espiritualizada tem um composto de crenças que lhe dá um significado na vida e uma fé e confiança em um mundo repleto de caos e insensibilidade. Quando compartilhado por uma comunidade, melhora o suporte social e a capacidade de lidar com o estresse. Estes fatores espirituais promovem a saúde, ajuda a recuperação de doenças e contribui para um estado de bem-estar.

Vamos fazer um exercício de construção de uma visão para o futuro da assistência em saúde:

  • O consumidor é a parte mais importante do sistema de saúde. Tudo além dele tem a função de servir as suas necessidades e de sua família.
  • A medicina preventiva é uma das especialidades mais comuns e de rápido crescimento.
  • Os médicos têm uma visão bio-psico-socio-espiritual do ser humano.
  • Os especialistas em medicina preventiva estão em harmonia com as novas tendências, incluindo biotecnologia, genoma, gerenciamento de doenças, gestão da qualidade, informática médica, telemedicina, farmacoepidemiologia, pesquisa nos serviços de saúde e reformas no sistema de saúde.
  • Todos os cidadãos têm acesso a assistência médica de qualidade com foco na promoção de saúde.
  • Os médicos passam um terço do seu tempo de trabalho em assistência preventiva primária, secundária e terciária, em equipes com outros profissionais de saúde.
  • Planos de saúde, empresas, governo, universidades, organizações não governamentais e consumidores destinam um terço de seus gastos com saúde em serviços preventivos clínicos ou comunitários, incluindo promoção de saúde e uso de uma medicina baseada em evidências científicas.
  • A prática médica diária se inicia com e-mail, telefone, videoconferência, TV interativa com pacientes e outros profissionais de saúde. Todos os pacientes têm acesso a orientação médica por telefone e internet.
  • A prática médica é totalmente automatizada, incluindo prontuário eletrônico, disponível para os pacientes via internet.
  • Todos os profissionais possuem um assistente pessoal digital sem fio, que está conectado ao prontuário eletrônico e também possui protocolos baseados em evidência, listas de medicações e transmite prescrições e faz pedidos de exames eletronicamente.
  • Todos os pacientes têm avaliação de risco a saúde realizada anualmente, tem orientações de auto-cuidado e são acompanhados por equipes multiprofissionais de saúde.
  • Uma parte do tempo livre dos profissionais de saúde é gasto em trabalhos comunitários, juntamente com sua família.

O futuro já chegou!

Dr. Alexandre Ghelman